"Um corpo sem alma é como um disco de vinil que não toca ..."

"O jornalista fere no peito o escritor. O escritor repele o jornalista, por esmagá-lo, por obrigá-lo a renascer quase sempre de um mesmo patamar. Feliz daquele que, nesse embate, consegue servir, e bem, aos seus dois senhores..."

Política. Música. Música. Vida. Rock. Cinema. Cultura.

segunda-feira, 27 de março de 2006

Tem gente que gosta.

Tem gente que não gosta do NOSSO cinema. Tudo bem, já sei que gosto não se discute. Tem gente que gosta de ver efeitos especiais, extra-terrestres, super heróis, etc. Tá bom vai, dos super-heróis gosto de vários. Aliás “Batman Begins” é muito bom. Esqueça tudo que já viu sobre Batman. E assista. É legal, mas é para distrair.

Eu prefiro saber da realidade. Por isso desprezo Harry Potter, Código Da Vinci e afins; da mesma maneira que vejo “exterminador do futuro” ou “Aguá negra” sem a mínima atenção. Mas respeito quem os aprecia. São Best Seller!

Caco Barcelos e Paulo Lins, autores de Rota 66 – a polícia que mata e Cidade de Deus, respectivamente – falam do Brasil, retratam a verdade (mas qual verdade? Ah, vcs entenderam!). Mas respeitarei se preferir alugar um holywoodiano ao nacional. É o normal. Não estou generalizando os holywoodianos, pelo amor! Mas é o que acontece.

Preferimos os efeitos especiais. A pretaiada da favela? A miséria do Nordeste? Ah, deixa pra lá, depois a gente vê. A polícia que mata descaradamente na favela, ou que arrasta jovens pro mato, mata e leva pro hospital já mortos. Tudo bem, a desculpa é sempre a mesma. Os elementos? Trocaram balas com a policia e morreram no tiroteio, trazemos eles por atendimento, mas não resistiram. Sempre a mesma coisa. Aquela mesma coisa também: uma garota linda e sem cérebro, o gordinho desprezado e o garotão pop querido por todas. A morte misteriosa, pessoas envolvidas. Pistas do assassinado, elementos sobre naturais...

Já viu isso antes? È, eu também. Mas a escolha é sua. Ou não né.

(estou aceitando sugestões pro título, achei muito ruim este...)

5 comentários:

Silvia disse...

Ai meu Deus, eu sou muito fã desse cara!!!

Gina Mardones disse...

Palavras da realidade, do dia-a-dia. Gostoso ler e me identificar na simplicidade dos seus textos...

Vanessa Silva disse...

É... o título é meio fracxo, mas o conteudo é crítico... é o que importa!!!!!!!!!1
É... é mais cômodo sempre assistir a 1 best-seller, mas o di'ficil écompreender e querer entender 1 filme nacional e denso...

shun disse...

salve glauber rocha, gustavo dahl, paulo saraceni, rui guerra , nelson pereira dos santos e tantos outros cineastas que fizeram o cinema novo - único movimento de criação de uma cinematografia de qualidade critica e estetica autenticamente brasileira, abusando da criatividade e da experimentação - da mente desses caras sairam as obras importantes e que realmente podem representar o cinema brasileiro - Deus e o Diabo na terra do sol, terra em transe, idade da terra, mandacaru vermelho, os cafajeste, os fuzis, entre outros...além de filmar, esses caras discutiram exatamente o problema abortado pelo gabrielzito: a realidade brasileira - fome, miseria, desigualdade, injustiça, subdesenvolvimento - e como mudar tudo isso, criando cultura através do cinema....salve o cinema novo e todo o bom cinema que é bem mais que puro entretenimento. cinema é divulgação de ideias. cinema é arte.

Gabriel Ruiz disse...

Resposta ao Shun:
Mais uma vez me manisfesto para falar de um comentaroi deste garoto.
Simplesmente deu uma aula aqui. Salve o cinema novo, que tratam da realidade, usam camera tremida para indicar miséria precariedade, mas tem gente que prefere cruzeiro das loucas. Fiquem a votade, gosto é gosto.