"Um corpo sem alma é como um disco de vinil que não toca ..."

"O jornalista fere no peito o escritor. O escritor repele o jornalista, por esmagá-lo, por obrigá-lo a renascer quase sempre de um mesmo patamar. Feliz daquele que, nesse embate, consegue servir, e bem, aos seus dois senhores..."

Política. Música. Música. Vida. Rock. Cinema. Cultura.

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2007

Wolfmother - "é do caralho!"

Onde estão as grandes bandas das décadas de 90 e 00? Será que não teremos mais "big bands"?

Em 60 os Beatles consolidaram-se e com isso ofuscaram várias outras bandas mui boas. Em 70 o Led Zeppelin foi absoluto. Claro, tinha tbm o Deep Purple, o The Who, Floyd e os Stones se firmando. Mas no topo...

Os anos 80, penso em U2 talvez. E Guns and Roses quem sabe se tivessem lançado o "apetite for your destruction" e sofrido uma queda de avião.


Mas e atualmente?

Na década passada impossível não pensar em Nirvana. Mas é o tal negócio, o cara se suicidou e tal. Não chegam a ser nem de longe uma "big band".


Será o Oasis? Neeemmm, embora eles consigam produzir letras e riffs mui bons que grudam na cabeça...


E nos anos 2000?

Incerto com tantas bandinhas com sonoridade parecida surgindo e ondinhas tipo Strokes e Kings of Leon. Mas é tudo muito fraco.

Se eu fosse apostar (imagine que o mundo fosse acabar!) na atual década, sem dúvidas seria
Wolfmother. Descobri (ouvi o disco todo) na semana retrasada. E é foda. Como costumo dizer para coisas que aprecio bastante: "é do caralho!".

É tipo uma mistura de Black Sabbath (para muitos, inclusice pro blogue, os caras do Hard Rock) e os rock n rolls eternos do Led Zeppelin e um que de Purple, por conta dos teclados. Altamente recomendável. Os moleques fazem som como "tiozinhos". Gostei pra caralho. Tipo, ouvindo todo dia e não acreditando na sonzera, manja?

E pros leitores, há grandes bandas? Como ficam as 2 décadas em questão? (00 e 90?)

6 comentários:

_Maga disse...

Valeu pela dica da banda!

Eu gosto de rock, mas não entendo nada... e estou um tanto por fora das bandas para poder opinar.

Acho que um problema para que existam "big bands" hj é que quase não toca mais rock nas rádios. No maximo um rock pop. Felizmente o movimento independente está ganhando força... aqui em Londrina além do Demo Sul - maior festival de bandas independentes do sul do pais - temos outros dois festivais para bandas independentes - um deles acontece esse fds aqui e em outras cidades do páis, chama "grito rock".

Talvez Coldplay, tenha feito um som um pouco diferente (mas mais calmo). Lembro do Audioslave...

Mas, sinceramente, não sei... rs

beijos

Júlia Dantas disse...

Well Gá, eu não sei qual é o conceito de big band... mas se for pra falar em marcar uma época, o Nirvana não está tão longe de ser. O que marcou os anos 90? O grunge. Quais são os ícones do grunge? Stone Temple, Nirvana, Pearl? Você vê, todo mundo acaba citando Nirvana, não dá. Ele pode não ser a vanguarda do grunge mas foi o que chamou a atenção do grande público pro "movimento".

Nunca ouvi Wolfmother, mas pelo que vc disse (mistura de BS e LZ), talvez ele não seja tanto o reflexo de nossa época. Entende? Cadê o ingrediente inovador?
Quanto ao meu palpite, não sei te dizer... sinceramente. Me faz essa pergunta daqui uns 15 anos. =)

Ah, vi Perfume sim e não entendi bulhufas. Só sei que achei prolixo demais. Me explica?

Beijos e boa 1a noite de carnaval!

_Maga disse...

ahh... sabe que "big band" é um nome que me lembram as grandes (e deliciosas) bandas de jazz...

beijos

gabriel disse...

Respondendo a Julha!

Sobre seu comentário no meu:
Realmente vc convenceu-me sobre o Nirvana. Marcou, inclusive a mim e muito.

Sobre o Wolf, vc levantou uma questão muito boa! Mui boa mesmo.(o elemento inovador) Eu não havia pensado a respeito. Mas, só de referencias como Led e BS (ainda que óbvias) não precisava de mais nada, eu teria que ouvir. (mas este é um caso particular, so let´s go away) A inovação dita como tal talvez não exista, mas arrisco dizer: juntou 2 ou 3 bandas clássicas e se fez um novo e potente som. E com apenas 3 integrantes. A parede sonora é absurda, enquanto as clássicas o faziam com no mínimo 4 membros. Parece que cada músico é uma mistura dos outros 2 das bandas citadas. Tipo o batera do Wolf é uma união do batera do BS e LEd juntos. E outra: quem é que toca como os caras tocavam há anos atrás, atualmente?

Mui agradecido, deu uma baita discussão. Colocarei a resposta lá no blogue, quem sabe não vira um fórum! rs

Carol F. disse...

Há quem diga que a década de 90 é a década perdida para a música... Sei lá, falar em perdida é muito forte, parece que não teve nada, e também é difícil comparar a década passada ou a de agora com os anos 60 e 70, chega a ser cruel a comparação porque parece que os grandes gênios do rock escolheram nascer por essas épocas. E talvez existam outros hoje em dia que estão precisando de algum impulso, sinceramente, não acho que a inovação no rock morreu, o grande problema são essas coisas descartáveis que aparecem do nada e conseguem patrocínios fantásticos, jabás das gravadoras e tal, a impressão que fica é que muita gente boa mesmo, músicos incríveis não conseguem ganhar tanto espaço nessa selva comercial. Não que as bandas, vamos chamá-las de "normais" não mereçam seu espaço, música sempre faz bem, não depende só do ouvido, depende da emoção também (quantas vezes uma simples melodia nos encanta!) mas há uma necessidade de espaço para inovação, experimentação. Nirvana marcou muito mesmo, concordo com a Julia, todo mundo lembra, é a banda dos anos 90 na opinião da maioria, apesar do hard rock do Guns e do início do Red Hot com aquela batida hip hop, o movimento grunge é O movimento dos anos 90 e o Cobain o maior símbolo, queria que ele estivesse vivo pra saber se não era algo passageiro:)Ainda nos anos 90 no cenário inglês tem além do Oasis (que curto mas acho repetitivo), o Blur e o Radiohead.

Anos 2000? Não sou especialista mas parece que há uma busca aos ídolos do passado, difícil falar de algo marcante, a mídia vive tentando empurrar alguns nomes... Existe uma volta aos anos 60, bandas, como posso chamar, hehe, doces??? Coldplay, Belle and sebastian, Travis, puxando para o pop rock açucarado... Gabriel não fica bravo com esses nomes aqui no seu blogue, mesmo gostando do Coldplay, acho que eles, como bem disse a Julia outro dia, conseguem passar todo o clima da música pela melodia, não significa que eles sejam O ícone:)Contudo, de um modo geral o que eu vejo é estagnação, talvez seja um reflexo da nossa juventude, o "Império do efêmero", isso vale uma pesquisa...

Pra finalizar que já ficou grande, no início escrevi que é cruel a comparação 90/2000 X 60/70, mesmo assim eu gostaria de ter vivido essa época, já pensou? "Você já ouviu a nova música dos Beatles?", "Ouviu falar do mega show que estão planejando? Como é mesmo o nome? Woodstock!", "Comprei o novo Dark side of the moon!".
Ah! Uma sugestão: escreve sobre o rock brasileiro tb! Beijosssssssss

A.Cerri disse...

E ae Gabriel!
Obrigado pelo convite para ler seu post. Desculpe a demora! Eu estava viajando.

Eu considero o Nirvana uma grande banda sim, assim como o Guns'n'Roses. É impressionante a quantidade de gente que você vê por aí com a camisa dessas bandas. Eu mesmo comecei a curtir Nirvana lá pelo começo de 2000. Portanto, os caras fazem legiões de fãns.
Apesar de ser minha banda favorita, também não considero o Oasis uma Big Band. Eles são reis na Inglaterra, em vários países da Europa e no Japão, mas sõ chegaram a "dominar o mundo" com Wonderwall.
Acredito que as aulas do Negrão devam explicar esse fenômeno. Como há cada vez mais bandas e meios de conhecê-las (como a internet) fica cada vez mais difícil para as grandes gravadores conseguirem criar uma super banda, já que o número de grupos é imenso.

Abraço