"Um corpo sem alma é como um disco de vinil que não toca ..."

"O jornalista fere no peito o escritor. O escritor repele o jornalista, por esmagá-lo, por obrigá-lo a renascer quase sempre de um mesmo patamar. Feliz daquele que, nesse embate, consegue servir, e bem, aos seus dois senhores..."

Política. Música. Música. Vida. Rock. Cinema. Cultura.

segunda-feira, 22 de maio de 2006

Advinha quem vem pra rezar?

Claro, o padre veio. Não poderia ser diferente. E veio de branco, com a roupa arrastando, sapatilhas e tudo mais que um padre deve vestir. Apareceu na igreja recheada de imagens de santos e Jesus crucificado, que os evangélicos tanto criticam.

Mas o que eu e os demais estávamos fazendo ali? No meu caso, fui pra fazer média, era niver da vovó. Os outros, nem sabiam porque estavam ali, nem sabiam do que o padre falava (nem todos, mas a maioria, garanto), pensavam na novela, no show que estava por vir. E os fiéis nem sabem também porque são fiéis. E meu tio: “Rapaz, mas ce sabe que o Curinctha joga amanhã!” Claro que ele também não estava ali. E nem eu. Ainda assim, prestei atenção. O padre usava metáfora para explicar que “os galhos que dão fruto, Jesus rega e os que não dão, ele poda para que passem a dar frutos bons”, algo assim. “Digam amém!” Amééémm.

E tive que ajoelhar na madeira, bater palmas e tudo mais. Estava no meio da massa, que nem era tão massa assim e não poderia (claro que poderia!) e nem tive coragem de ficar alheio, enquanto todos o faziam. Ridículo. Da próxima, pelo menos se ajoelhar... Digo isso pq pra mim não faz sentido algum. Puta dor no joelho, tá loco.

Mas não pensem vcs que sou aleatório quanto a Deus e coisas do tipo. Várias coisas já rolaram e esse deus construído aí fora pelos homens fica realmente difícil. Aqui do lado de casa mesmo, tem uns caras que acham que Deus é surdo, com todo respeito.

Aliás, to querendo ir na terapia do amor da Igreja Universal, alguém se atreve a tal comigo? Será a segunda, da série jornalismo gonzo.

Deus vos abençoe.
Amém.

5 comentários:

Júlia Dantas disse...

eu topo!

Sara Lemes disse...

Ajoelhou pq? Eu ainda vou na missa aki em Bauru, mas, assim como na minha cidade, não ajoelho nao... fico em pé, abandonada!!!

Não foi só isso q quis dizer, a idéia é q, msm se vc for, por eventualidade qualquer, a um lugar nao costumeiro, nao deve se portar como "todos" dali, acho q vc tb pensa assim...

E gostei de saber q vc acredita em Deus, a religiao nao importa nada, ela nao salva ninguem... O q realmente importa sao as atitudes, nao de ajoelhar e se declarar "santo", mas de tratar bem as pessoas, coisa q vc faz muito bem...

Já tá parecendo papo de tia... Acho q é a idade chegando...hehehehe!!!

Um abração!!! Ah, Espero atualizar meu blog logo tá... Falta um pouco de inspiração...

Silvinhaaaaaa disse...

Mas olha, vou te falar... se vc acredita em Deus e não na religião em si, dá pra ir ouvir uma missa do padre Beto numa boa... pode chegar na hora da homilia (q infelizmente tem gente q chama de sermão), como se fosse pra uma palestra... O cara é foda! Qualquer um pode ouvi-lo, independente de religião. Tá feito o convite! Todo domingo, às 18h ou ás 20h, na igreja da USC. E mesmo se vc não quiser ir, eu vou na terapia do amor com vc e com a Júlia... rsrs... bjinhos!

Gabriel Ruiz disse...

Aceito todos os convites, claro. aliás silvia e eu já combinamos...

Sobre as atitudes "em massa", claro fui ridículo, as vezes fico pensando na bizarrice que foi. Valeu a lição.

Gina Mardones disse...

to mais pra sessão do descarrego... que tal?