"Um corpo sem alma é como um disco de vinil que não toca ..."

"O jornalista fere no peito o escritor. O escritor repele o jornalista, por esmagá-lo, por obrigá-lo a renascer quase sempre de um mesmo patamar. Feliz daquele que, nesse embate, consegue servir, e bem, aos seus dois senhores..."

Política. Música. Música. Vida. Rock. Cinema. Cultura.

quinta-feira, 26 de outubro de 2006

O conto do supermercado



No supermercado, ele caminha para comprar pão e queijo, apenas.

No terceiro corredor, uma loira gostosa (essa é a visão deste que vos escreve, mas quando ele chegou perto, constatou o mesmo) com uma roupa azul e branca servia copinhos de suco sabor pêra para degustação.

Ao ver aquele formato parou e deliciou-se. Com o suco. Apenas.

Comprou o pão, esqueceu o queijo. Era o pretexto para voltar. Não voltou.

Voltou no dia seguinte. Quando se aproximava, lá estava a loira, não apenas gostosa, mas o motivo de seu coração bater acelerado e o motivo de suas cartas de amor. Um dia se declararia, mas era um jacu e sabia disso. Sentia também que nunca lhe contaria o que sentia.

Tornou-se rotina o mercado. Às vezes ela estava, várias outras vezes não. Certas ocasiões era outra moça. Ele não gostava.

Tomou coragem, entregaria, ao menos, uma das cartas. Convidou então um amigo para não deixá-lo desistir no meio do caminho. Mas, no meio do caminho foi atropelado por dois carrinhos verdes de supermercado. Ficou lá no chão estrebuchando, os olhos esbugalhados. Na queda, a carta foi parar sob a estante de flores.

Um dia, alguém acharia. Era a Amélie Poulain.

6 comentários:

Vanycentrismo disse...

Adorei os carrinhos verdes de supemercado!!!

carlos muzilli disse...

Gabriel, só cartas de amor conseguem tingir de azul as estantes dos supermercados, com a palavra Amelie. Abraços poéticos.

Claudinha disse...

Um supermercado é um lugar onde muitos contos acontecem... Loira gostosa, nunca reparei, quem sabe um morenão sarado. Ops, mas o que eu estou dizendo, o Szafir vai ficar com ciúmes,rsrs. Beijo!
Gostei do conto!

Alexandre Azank disse...

E ai Gabriel, blz? Bom saber que curtiu o Rock and Roll Bar. É muito bom falar daquilo que mais gostamos. Nossos layouts são bem parecidos! hehe
Seria um prazer poder contribuir qualquer hora com o "On the Rock", é só avisar!
Abraço e parabéns pelo seu blog também!

célia musilli disse...

Ai, ai..quantas mulheres não suspiram por uma carta de amor...mas parece que elas só existem na ficção..vou olhar melhor as prateleiras dos supermercados. rs um bj,

Blog de Notícias disse...

Pensador,
Parabéns pelo texto.

Abraços,

Fabrício Fernandes - Brasília\DF