"Um corpo sem alma é como um disco de vinil que não toca ..."

"O jornalista fere no peito o escritor. O escritor repele o jornalista, por esmagá-lo, por obrigá-lo a renascer quase sempre de um mesmo patamar. Feliz daquele que, nesse embate, consegue servir, e bem, aos seus dois senhores..."

Política. Música. Música. Vida. Rock. Cinema. Cultura.

sábado, 9 de dezembro de 2006

O melhor disco do Pato Fu!

Acabo de conhecer dois discos daqueles que dá vontade de ouvir toda hora. Um gringo e outro brasuca. Um é do Queens of the Stone Age, o álbum de 2002 - "Songs for the Deaf", que teve a participação do Dave Grohl do Foo Fighters, vocal da banda e ex-batera do Nirvana. É bem rock, com alguma influência de new metal, mas nada que o torne assim. Gostei especialmente da maneira como a bateria é colocada nas músicas. E é uma pancada atrás da outra, pra quem gosta.

O outro é do Pato Fu, o disco "Toda Cura para todo mal", lançado em 2005, oitavo da banda e talvez o mais experimental. Parece que a Fernanda Takai, o John (que além de tocar produziu este disco) e a banda ficaram um mês ouvindo Mutantes e depois foram pro estúdio gravar, como disse o Brasileiro. É muito boa a sonoridade. O álbum soa rock, psicodelia, experimentação, funk (no ótimo sentido) e leveza. Além disso, tem várias letras muito boas mesmo.

"Toda cura para todo mal" começa com uma voz forte da Fernanda gritando já no primeiro segundo do cd em "anormal". Aí surge a segunda faixa, "uh uh uh, la la la, le le" (nome altamente sugestivo) que é muito Mutantes, boa demais, muito pegada e a letra é ótima.
A terceira é "sorte e azar", bem Pato Fu, destas que vc ouve no rádio, mais balada, lentinha. Na sequência vem "amendoim", cuja melodia é "gostosa" e o também ótimo trecho: "Todo dia nasce um bebê, Pra dividir a vida com você / Todos os dias vão nascer /Bebês com meia vida pra viver".

"Simplicidade" começa como uma canção de ninar, como se fizesse o bebê da música anterior dormir, uma mistura de sons que não dá pra sacar muito bem o que é, mas não gostei muito, tem uma voz robótica que achei um pouco forçada.
Mas, gostei bastante (acho que a melhor faixa) da "estudar pra que?" desde o primero momento em que a ouvi. Talvez porque começa com uma guitarra pesada e duas vozes abafadas se alternando. E a letra: "quem tem computador não precisa de estudo, estudar pra quê?", belíssima ironia. Altamente criativa.

Tem também "no aeroporto", de letra cotidiana, falando do raio x do aeroporto e melodia alegre e "!", instrumental genial.

Enfim, dá pra ouvir toda hora sem enjoar, sem exageros. O site do Pato Fu é bem legal, todo em Flash, dá pra ouvir as músicas lá tbm.
Ótimo final de semana.

2 comentários:

Vanycentrismo disse...

Uau!!!
foi mesmo muito produtivo ter trocado seu orkut por um blog!!!
Produçao aqui a todo vapor!!!!!
mto, mto bem!!!!!!!

luma disse...

Os caras do Queens of the Stone Age, estiveram no Brasil no Rock in Rio III, Nick Oliveri ficou pelado no palco! As pérolas da banda são com certeza, O vocalista era do Screamig Trees, chegou a ouvir alguma coisa? e o ex-foo fighter, que já imprimiu a sua marca.
Desse cd gosto muito de "Everybody's Gonna Be Happy", uma homenagem ao Kinks.
Boa semana! Beijus